Cama Compartilhada

07 de dez de 2011

Faz tempo que eu estou querendo pesquisar sobre a cama compartilhada, saber direito como funciona, como faz e tudo mais. Pensei que tivesse uma “fórmula” de como fazer, mas pelo que eu li não tem, cada um deve adaptar de acordo com o que achar melhor.

Eu sempre tive um pé atrás com isso, porque ficava com medo de dormir e machucar o bebê, até li um artigo sobre isso, onde diz que: “…Na verdade, os comentários estavam vindo dos médicos pediatras: “Nunca durma na mesma cama com seu bebê”. Mais do que um comentário ou sugestão, a frase está mais para uma ordem a ser seguida. No entanto, a explicação dos pediatras ocidentais me pareceu um pouco forçada. Perguntei-me quantos bebês já haviam morrido dessa forma. Para meu espanto, a resposta que obtive não foi clara, mas sim tendenciosa. Isso porque a maioria dos trabalhos relatando esse tipo de morte não é causal. Mesmo em casos nos quais o bebê morria sozinho na cama dos pais, o evento era classificado como morte causada porque os pais dormiam junto com os bebês. Nos poucos casos em que a causa foi devidamente investigada, descobriu-se que não tinha qualquer relação com dormir ou não junto aos pais. Em geral, uma infecção ou má-formação de algum órgão interno era a causa da morte. Descobri então que a recomendação de nunca dormir com bebês era apenas uma hipótese sem qualquer base cientifica. ” ( Dormindo com bebês – Alysson Muotri)

Como visto no artigo, não há um perigo real sobre o bebê dormir junto com os pais, mas claro que sempre tem que ter um cuidado, já que um bebê tão pequeno e frágil estará dormindo junto. Outro ponto importante sobre a cama compartilhada é a intimidade do casal, que com certeza fica afetada e isso é ruim? Eu posso achar que sim e você que não e é justamente por isso que cada um deve decidir o que é melhor!

Adorei a ideia desse berço grudado na cama, mas fiquei com a sensação que o bebê pode cair no vão entre a cama e o berço. Não cair no chão, mas ficar ali no vão. (Watts & Son Ltd)

Além dessa minha insegurança, ainda tinha o fato de que mesmo quando ele dormia no carrinho do lado da minha cama eu ficava incomodada, com medo de acordar meu marido durante a noite e do meu marido acordar o Vítor. Enfim, quando ele foi pro berço, no quarto dele (com 12 dias), foi um alívio! Ele dormiu bem melhor e ainda era mais fácil pra trocar fralda e dar de mama, sem contar que eu dormi muito melhor também.

A cama compartilhada funcionou aqui da seguinte forma: ele mama sempre por volta das 6h e aí acorda, não quer mais dormir. Como meu marido levanta para trabalhar, comecei a por o Vítor na cama comigo. A experiência foi boa, pois tem espaço para os dois e ele dorme mais ou menos 1h ali comigo e assim descanso um pouco mais. Não é todo dia que isso acontece, mas quando estou com muito sono, arrumo os travesseiros e deito ele do meu lado.

Eu não acho nem certo, nem errado aderir a esse modo de dormir, pois acredito que cada família se adeque ao que for melhor, mais confortável e que ela se sinta segura.

Aqui em casa está sendo dessa forma, a noite no berço e de manhã – quando ele acorda muito cedo – a cama compartilhada comigo. E com vocês como foi ou está sendo?

Beijos