O amor que eu quero sentir…

28 de set de 2011

Faz tempo que eu penso em escrever este post, mas não sabia por onde começar e nem mesmo como escrever.

Com o mundo internauta conheci várias e várias mães, cada uma com sua experiência foi me ajudando a entender esse mundo materno. Uma das coisas que eu ainda não consegui entender é esse amor incondicional de uma mãe por seu filho.

Loucura minha? Como posso não entender tendo meu filho praticamente pronto no meu ventre? Eu já o amo mais que tudo, mas sinto que não é só isso, sinto que quando ele nascer o amor se transformará em algo enormemente maior, quase como uma explosão, algo que não caiba em mim…

 

Ah, e como quero sentir este amor! Não vejo a hora de ter meu filho nos braços e poder dizer com tranquilidade que agora sim, sei o que é amor de mãe. Quero sentir o amor de mãe leoa que é capaz de atacar pela sua cria, o amor por alguém que não seja eu mesma, que me faz matar ou morrer sem ter dúvidas, quero sentir a sensação do meu coração batendo em outro peito, da ânsia por mantê-lo bem, saudável e feliz. Quero sentir aquele amor tão dito em poemas, histórias e livros e que ninguém é capaz de sequer imaginar sem ser mãe.

Meu filho está chegando, logo estará em meus braços, e eu não vejo a hora de por minhas incertezas pra bem longe, de abraçá-lo e perceber que mais nada importa. Quero conhecer a sensação da vida não fazer mais sentido se ele não estiver por perto, do prazer em gastar todo meu dinheiro – se preciso – com outra pessoa que não eu, de achar graça em detalhes que antes passavam desapercebidos, ver sua evolução e mal acreditar que “fui eu que fiz” algo tão magnífico . Quero conhecer o mundo que gira em torno de ser mãe!

Esse amor que eu quero sentir, sei que ainda não sinto, sei que ele virá a qualquer momento, como se uma flecha, em segundos, me atingisse. Sei também que serei pega de surpresa quando este momento chegar!

Será que caberá dentro de mim? Será que terei o medo de perdê-lo a todo momento? Será que ele me transformará em uma pessoa melhor? Será, será, será? Tantas dúvidas, tantas perguntas e medos e uma só certeza: ele me responderá tudo quando me olhar pela primeira vez!

Beijos