Tudo sobre a chegada do bebê em casa

28 de maio de 2013

Pronto! Agora é com você mamãe! O primeiro dia do bebê em casa deixa na mãe a sensação de que a Maternidade era um hotel cinco estrelas. Onde estão os médicos e as enfermeiras para ajudar? Junto com o bebê chegam também muitas dúvidas e inseguranças. Como cuidar do filho tão esperado? A seguir, seguem algumas dicas para a “sobrevivência” inicial.

O choro

É a principal forma de comunicação do recém-nascido. Por esse motivo, muitas podem ser as razões desencadeantes do choro: sede, fome, frio, calor, necessidade de atenção, carinho e muitos outros incômodos.

A cólica

Em geral, os sintomas de cólica aparecem quando o recém-nascido está com 2 ou 3 semanas de vida e, muitas vezes, surgem no mesmo horário, em vários dias seguidos. Tem duração variável, podendo desaparecer em minutos ou durar até horas. Existem várias causas para a cólica e raramente ela está relacionada a alguma doença. Na maioria dos casos, as crises desaparecem em torno dos quatro meses de vida, de forma gradativa.

Quando está com cólica, o bebê:

– chora violentamente, emitindo gritos agudos e altos;

– faz extensão e flexão rítmica das pernas;

– fica com a face vermelha;

– não aceita alimentação.

Técnicas para aliviar os sintomas da cólica:

– massagem abdominal;

– compressas mornas na barriga do bebê;

– colocar o bebê deitado de bruços sobre o peito ou barriga da mãe, para que o calor do corpo materno aqueça a barriguinha do bebê;

– levar o bebê ao colo na posição de bruços, apoiando o abdome dele nas mãos.

Evacuações

A frequência das evacuações varia de 5 a 8 vezes ao dia até uma vez a cada 7 a 10 dias. A consistência e a coloração das fezes também são bastante variáveis e podem apresentar-se de amarelada a castanho-esverdeada e de líquida a pastosa, no mesmo dia.

A urina

Nos primeiros dias de vida, a urina do recém-nascido costuma conter cristais de urato em abundância, o que deixa uma coloração rosada na fralda. Depois desse período, torna-se de coloração bem clara e a quantidade de urina aumenta.

Algumas meninas podem apresentar uma secreção vaginal esbranquiçada ou ligeiramente sanguinolenta, ocasionada pela passagem de hormônios maternos, durante a gestação. Essa secreção é normal.

O coto umbilical

Inicialmente, o coto é esbranquiçado, úmido e gelatinoso. Nos dias subseqüentes ao nascimento, torna-se seco, escuro e mumificado. A queda do coto ocorre normalmente entre o 4º e o 20º dia, podendo, em alguns casos, ultrapassar 30 dias. O coto umbilical não possui inervação; portanto o recém-nascido não sente dor ao seu manuseio.

O que fazer?

– limpar o coto após o banho e a cada troca de fralda (se for necessário);

– utilizar gaze ou cotonetes embebidos em álcool a 70% para a limpeza;

– limpar inicialmente a base e depois todo o coto, fazendo movimentos circulares;

– não utilizar faixas, curativos ou qualquer outro produto sobre o coto.

Sinais que indicam a necessidade de procurar o pediatra:

– vermelhidão na pele ao redor do coto;

– secreção com mau cheiro ou purulenta no coto.

Limpeza oral

– passar uma gaze ou fralda molhada em água filtrada na gengiva do bebê após cada mamada, mesmo que ele ainda não tenha dentes.

O banho

– lavar a banheira plástica antes do banho com água e sabão. A banheira deve ser utilizada somente para o banho do bebê;

– colocar água morna (temperatura em torno de 37 a 38ºC);

– utilizar sabonete líquido ou em barra neutro e apropriado para a pele do bebê;

– iniciar o banho lavando a face e a cabeça e, em seguida, o tronco e o resto do corpo, deixando por último os genitais e o bumbum;

– lavar o coto umbilical normalmente durante o banho;

– após o banho, enxugar o bebê delicadamente com uma toalha-fralda macia, iniciando pela face e cabeça, descendo pelo restante do corpo e tendo o cuidado para enxugar bem as dobrinhas.

Limpando o nariz e ouvidos

A limpeza do nariz e dos ouvidos requer atenção especial. Não deve ser feito de qualquer maneira e nem enfiando ponta de toalha ou hastes de algodão.

A maneira correta é pegar a haste de algodão e passar delicadamente nas dobras da orelha sem colocar dentro do ouvido. A limpeza é superficial. Mesmo que você veja cera no ouvido do bebê

O mesmo acontece com o nariz. Você vai limpá-lo passando a haste de algodão delicadamente apenas na área externa do nariz.

O banho de sol

– deve ser de 5 a 10 minutos no corpo todo ou de 30 minutos apenas nos braços e pernas;

– a exposição deve ser direta ao sol;

– o horário ideal para expor seu bebê ao sol é entre 7 e 10 horas da manhã. Pode-se ainda, utilizar o horário do final da tarde;

– não utilize filtro solar no recém-nascido até o 6º mês de vida.

O sono

– durante o dia, deixar o bebê em ambiente claro e com o barulho normal da casa, desde que não haja excessos;

– durante a noite, colocar o bebê para dormir em ambiente silencioso, com pouca luminosidade e temperatura agradável;

– colocar o recém-nascido para dormir de barriga para cima. Nos casos em que o bebê apresenta regurgitações frequentes, a posição de lado pode ser adotada se ele for adequadamente escorado com algumas almofadas para não se virar de barriga para baixo

– procurar criar uma rotina para o bebê.

O enxoval

Limpeza das peças:

– preferir peças, além de confortáveis, que sejam higiênicas, fáceis de trocar e lavar;

– lavar as roupinhas, inclusive as de cama e banho, antes do uso e a cada troca, com sabão neutro e separadamente;

– preferir sabão em pó ou líquido que indique no rótulo ser específico para a limpeza das roupas do bebê;

– evitar amaciantes, pois podem provocar irritações da pele;

– passar todas as peças com ferro quente.

Aleitamento materno

– manter a amamentação exclusiva até os 6 meses;

– a partir dos 6 meses, começar a complementar a alimentação com outros alimentos, mas mantendo a amamentação ao peito, pelo menos, até os 2 anos de idade.

Sucesso da amamentação:

– amamentar o bebê o mais precocemente possível e estar empenhada para essa função;

– amamentar o bebê em regime de livre demanda, ou seja, sempre que o bebê desejar;

– observar se a pega e o posicionamento do bebê estão adequados;

posicionamento do bebê: posicionar o bebê de tal forma que ele fique com o rosto de frente para a mama, com o nariz na altura do mamilo, com o corpo próximo ao da mãe (“barriga com barriga”) e com a cabeça e o corpo alinhados;

pega adequada: o bebê deve abocanhar a maior parte possível da aréola. O lábio inferior do bebê deve estar voltado para fora e o queixo deve tocar a mama;

– não é recomendado pinçar os mamilos entre os dedos médio e indicador;

– oferecer os 2 peitos a cada mamada, começando sempre pela mama que o bebê mamou por último;

– procurar manter-se relaxada, calma e confiante. Não fumar ou ingerir álcool. Não usar medicamentos sem o conhecimento do médico.

Vacinas

A maioria das maternidades atualmente já aplica a vacina BCG (para prevenção da tuberculose) e a primeira dose da hepatite B. Cheque se o seu bebê foi realmente vacinado, caso contrário, procure um posto de saúde ou uma clínica de vacinação para aplicar as vacinas nos primeiros dias de vida.

chegada do bebê

Fonte: Livros – Filhos – da Gravidez aos 2 anos de idade; O que esperar quando você está esperando; Dicas do Pediatra.

Importante: Segundo o Conselho Regional de Medicina (CRM), a informação médica via Internet pode complementar, mas nunca substituir a relação pessoal entre o paciente e o médico. Pelas suas limitações, não deve ser instrumento para consultas médicas, diagnóstico clínico, prescrição de medicamentos ou tratamento de doenças e problemas de saúde.

Artigo escrito por: Dra.Camila Mendes Macca – CRM-SP 130.002 – especialista em Alergia e Imunologia. Para entrar em contato com ela, clique aqui e acesse seu site ou pela sua fanpage Clínica de Pediatria Primeiro Passos.

Beijos,