A crise da gestação

14 de out de 2011

Antes de engravidar eu não sabia que entraria em crise durante a gestação. Pra vocês é óbvio que a crise viria? Para mim não! Sempre pensei que quando engravidasse seria uma explosão de felicidade sem fim, o tempo inteiro! Que a certeza sobre ser mãe e meu filho estariam comigo e que eu não teria dúvidas e nem medos.

Doce ilusão a minha! Passei a maior parte da gestação com muitas dúvidas, muitos medos e poucas certezas. Com o final da gravidez elas foram se intensificando! Hoje faltam 3 dias para o Vítor vim ao mundo e eu ainda continuo com medo e com muitas dúvidas!

Medos do tipo “será que serei uma boa mãe?”, “será que amarei meu filho tanto quanto as outras mães amam os seus?”. Incertezas sobre como cuidar de alguém tão pequeno  e indefeso, se vou saber fazer as coisas, sobre como ficará a minha vida pessoal, entre milhares de outras.  Falei um pouco mais sobre isso neste post “O amor que eu quero sentir”.

Como muitas de vocês já sabem, eu sou psicóloga e por isso estou sempre pensando em como lidar com as situações que aparecem. A verdade é que ninguém gosta de estar em crise, não é bom ter muitas dúvidas sobre um determinado ponto da vida, mas elas são extremamente importantes para nosso crescimento pessoal!

Quando estava na faculdade uma professora disse uma vez algo que me marcou muito. Ela falou o seguinte: “Quando estamos em crise, sempre pensamos em como sair dela, quando na verdade deveríamos pensar porque entramos nela e o que podemos aprender com esta situação. Se sempre pensássemos assim, aprenderíamos com ela e sem perceber, a crise passaria”. E não é que é verdade?

Acredito que a crise da gestação seja bem diferente das outras, pois é muito específica. Ao contrário das transições da vida, onde tudo acontecesse de forma lenta e progressiva, no nosso tempo, a maternidade acontece de repente. Mesmo tendo os 9 meses para a preparação, nos tornamos mães de uma hora para outra, literalmente. Acredito que por isso que muitas (já li estudos que afirmam que mais de 50% das recém-mães) sofrem da depressão pós parto! Sim, eu tenho medo de também passar por isso.

Bom, o que quero neste post, é mostrar pra vocês é que a crise existe sim e não adianta nos desesperarmos, meu conselho é o que recebi da minha professora há anos atrás, pensem no porque da crise – seja ela a da gravidez ou não – no que vocês podem aprender com ela e tenho certeza que isso ajudará muito! Se acharem necessário, podem contar comigo, mesmo não tendo como eu fazer terapia pela internet, será um prazer poder ajudar no que eu puder, por isso deixo meu e-mail disponível para quem se interessar: mah@vidadegestanteemae.com.br.

A minha crise ainda está aqui, super presente, mas sei que ela me deixará muito logo em breve. Amém!

Beijos

P.S: Mais tarde terá sorteio novo no blog, não percam!