A importância do pai e do companheiro na maternidade

21 de nov de 2012

Não sei se na casa de vocês foi assim, mas aqui muitas coisas mudaram entre meu marido e eu depois que o Vítor nasceu. Nós sempre fomos muito companheiros e amigos e isso ajudou muito.

Sabe aquela história de ter filho para segurar homem? Juro que não sei como pode funcionar. Um filho exige demais de ambos, o que acaba causando uma exaustão enorme e um estresse generalizado.

Nos primeiros meses, principalmente, quando o vínculo mãe e bebê é muito mais forte, parece que o homem fica um pouco de lado, até meio perdido, sem saber onde se encaixar. Em casa foi assim e, ainda, pra ajudar, eu acabei sendo uma “faz tudo”, dando sempre banho, trocando as fraldas, acordando de madrugada, enfim, não dividindo muito as tarefas com meu marido.

Hoje percebo que errei, pois ele demorou mais para encontrar o lugar dele como pai ao nosso lado. Também acabou acontecendo de hoje eu me sentir muito sobrecarregada. Só quando o Vítor ficou maiorzinho foi que meu marido começou a me ajudar com banhos, papinhas e coisas assim. O que foi muito bom!

A participação do pai é importante demais, pois além de dar uma folga pra mãe, ainda incentiva o vínculo pai-bebê – que também deve existir. Mesmo no início, onde o mundo do recém-nascido é só da mãe, o pai deve estar sempre ao lado, para que o bebê perceba que há uma outra pessoa além da mãe. O que, acredito eu, torna a relação da família muito mais forte.

Percebo que na maioria das casas, ainda são as mães que fazem a maior parte das coisas com relação aos filhos, e que os pais ficam mais distantes. É importante que a gente “puxe” eles para mais perto desde o pré-natal. Se eles começarem a conhecer o bebê, vendo os ultrassons, ouvindo o som do coração, com certeza após o nascimento, haverá um vínculo maior entre eles.

Confesso que a gente passou a brigar muito mais e o motivo sempre o mesmo: Vítor. Eu cansada quero que ele fique, ele cansado quer que eu fique. Eu acho que estou certa, ele acha que também está, aí pronto, está feita a confusão. É por esse motivo que repito o quanto é importante que haja amizade e cumplicidade entre o casal, porque se não tivéssemos isso, com certeza já teríamos nos separado.

Eu, sinceramente, não achei fácil inserir meu marido nas tarefas diárias com o Vítor. Isso porque sempre preferi fazer as coisas, mas percebi que era muito importante pra eles dois esse momento a sós. Uma vez fomos viajar e meu marido se prontificou a dar banho no Vítor.

Eu aceitei, já que não tinha banheira, seria o mais prático, mas não imaginava o quanto seria importante. Quando entrei no banheiro e vi os dois ali, debaixo do chuveiro, meu marido cantando, Vítor rindo e brincando, entendi que aquele era um momento unicamente deles e era isso que faltava entre eles.

Hoje os dois são super unidos, companheiros e adoro ver a afinidade que brotou e está cada dia mais intensa!

Aqui em casa tem sido assim e aí?

Beijos,