Dos medos que a gestação traz

10 de out de 2013

Dos medos que a gestação traz

Eu tinha me esquecido o quão medrosas ficamos na gestação. Do medo e da insegurança de que aconteça algo com nosso bebê, principalmente no início. Na gravidez do Vítor eu não tive nada, nenhum sintoma, nenhuma dor, muito menos sangramento. Foi tudo absolutamente tranquilo.

Mesmo a gente sabendo que cada gestação é uma, eu achei que fosse ser tudo igual. Ledo engano. Esse bebê já veio me mostrando que ele é bem diferente do irmão. Primeiro tive ovulação tardia e demorei horrores para ter certeza que estava grávida. Depois, veio o primeiro sangramento, com 4 semanas, as contrações e o pavor de perdê-lo.

Não bastando, com 9 semanas, um novo sangramento, dessa vez acompanhado de perda de líquido, e mesmo me mantendo calma, eu tinha certeza que tinha perdido meu bebê. Era de madrugada, acordei toda molhada, corri para o banheiro e aquele sangue vivo que não parava mais de sair.

Acordei o marido, fui para o hospital, mas precisei esperar até de manhã para fazer um ultrassom e ver o que tinha acontecido. Cheguei a ligar para minha mãe e contar, que infelizmente tinha perdido o bebê e fui para o exame certa de que ouviria isso da médica.

Quando ela me mostrou ele ali, todo perfeito e VIVO, mal acreditei! Parecia um milagre que realmente estava tudo bem com meu bebê! O susto foi imenso e o medo ficou maior ainda.

medos da gestação

Passei todas as outras semanas – até chegar nas 12, quando a placenta está formada e o índice de aborto espontâneo cai bastante – com muito medo. Não fazia esforço, não pegava peso e mesmo não comentando muito, dentro de mim sempre tinha uma voz dizendo “você ainda pode perder seu bebê!”.

Talvez por isso sinto um vínculo muito forte com ele, uma vontade enorme de saber como ele está, de sentir chutar e talvez pelo mesmo motivo que eu esteja realmente sem me importar em saber o sexo. Eu quero que ele nasça com saúde! Quero muito!

Apesar de não conseguirmos muito controlar esses nossos sentimentos de medos e inseguranças, eles fazem parte da vida, e como tudo, também são aprendizados. Acredito muito que por conta deles eu aprendi a valorizar mais minha gestação, a entender melhor outras mulheres que passam por isso e a curtir cada dia, cada momento, como sendo único.

De tudo podemos tirar pontos positivos, por mais difícil que seja. O que não podemos nunca é deixar que medos nos dominem.

Beijos,

Baixe o novo aplicativo de Mamãe e Bebê e comece a praticar a massagem que ajuda os pequenos a se desenvolverem de forma mais feliz e saudável.