E se fosse meu filho?

28 de jan de 2013
“Um bombeiro apanhou um daqueles celulares que tremiam no chão. O aparelho registrava 104 chamadas. Na tela: MÃE”. (fonte: Blog do Editor)

Entre todas as reportagens e frases que li sobre a tragédia em Santa Maria/RS, nenhuma me abalou tanto quanto esta. Eu senti um frio na barriga, um aperto no coração e um arrepio percorreu todo meu corpo.

Uma mãe desesperada em busca de seu filho, ligando insistentemente na esperança de que ele atendesse e dissesse que escapou daquele acidente horrível. “Poderia ter sido meu filho.” Foi a primeira coisa em que pensei.

Aí me veio uma avalanche de emoções. “E se um dia eu passar por isso? Deus, por favor, nunca leve meu menino antes de mim!” E foi assim que corri pro berço dele, só para dar um beijinho. O beijo que aquela mãe não poderá mais dar em seu filho.

Não importa agora quem foi o culpado disso tudo ou o que poderia ter sido feito para evitar. O que importa é o consolo dos familiares que perderam seus parentes e amigos da forma mais terrível e brusca possível.

Eu não quero nem me imaginar perdendo meu filho, mas hoje foi inevitável. O medo, a dor e principalmente o fato de não ter controle sobre isto quase me enloqueceu. Quantas mães perdem seus filhos diariamente? Quantas não suportam tal perda?

É devastador, triste demais pensar que uma mãe/pai, possa passar pela dor de perder um filho.

Que Deus conforte todas essas famílias!!

Beijos,