[Leitora] Como a minha mãe

15 de maio de 2013

Quem escreve o post de hoje é a Ana Carolina.

Olá, meu nome é Ana Carolina e tenho uma filha que completará 3 meses agora dia 3 de maio. Quando eu vi a Mariana perguntar quem gostaria de falar sobre essa relação de filha e mãe e o que você faz igual e diferente de sua mãe, achei bem interessante e resolvi me candidatar.

Pra começo de história, eu sou gêmea e minha mãe, assim que saiu da maternidade, já teve que aprender a se virar sozinha, porque minha avó morava no Paraná e não tinha como ela vir ajudar, e meu pai tinha que ir trabalhar. Ela se virou bem sozinha e cuidou de nós duas em casa até os 3 anos de idade, e depois nos colocou na escolinha.

Quando engravidei comecei a pensar como iria criar minha filha, o que faria igual e o que faria diferente.Com toda certeza aquela velha frase é verdade : “ Quando você for mãe, você vai entender!!” Minha filha nasceu e quando cheguei em casa, eu queria a minha mãe!! Ela me ajudou muito, me ensinou a dar banho, coisa que só fui ter coragem de fazer sozinha quando a Sabrina estava com 22 dias!!

Eu sigo sim todas as dicas que ela me dá! Quando que eu ia imaginar que o amido de milho é mil vezes melhor que talco pra colocar no bumbum do bebe depois do banho, e que um pouquinho dele na agua da troca de fralda faz milagres? Que se o bebe está meio amarelinho é só dar banho com chá de picão?( você pode achar que não funciona, mas não é que funciona??) e uma de ouro… colocar as roupas pelas pernas!!!!rsrs

Acho que acabo seguindo a maioria das dicas da minha mãe, mas prefiro fazer do meu jeito, assim como preferi não dar nada além do leite materno até o 6 mês!! Uma coisa que tenho certeza que não vou fazer igual minha mãe é no quesito paciência para a escola rsrs ela não tinha nenhuma, leia-se nenhuma mesmo!! Mas no geral acho que a gente não nasce sabendo e tendo a mãe do nosso lado nesse momento ajuda demais! Afinal ela já passou por isso e sabe como é!

Muitas vezes me paro olhando para a minha filha e penso: “Meu Deus eu já fui desse tamanho!”  e é nesse exato momento que percebo como a gente pode esquecer de ser grato pela pessoa que mais nos ama nesse mundo.

Sempre fui muito apegada à minha mãe, mas acho que hoje sei dar mais valor a tudo que ela representa! Como a Mariana sempre fala por aqui, a maternidade tem um lado B, e só a mãe da gente nessa hora viu!! Finalizando, acho que vou ser parecida com a minha mãe no quesito criação da minha filha, só vou tentar se bem mais paciente.

E você, se baseia na educação que teve para criar seus filhos?

Beijos,