Aquela mãe de novela

15 de fev de 2016

Eu sempre quis ser mãe, mas não uma mãe qualquer. Queria ser uma mãe dessas de novela. Não porque eu pensava que elas eram melhores que as outras, mas sim porque eu acreditava que aquilo era ser mãe.

Ser mãe, na minha ingênua concepção, era ter filhos que dormiam a noite toda e quase não choravam. Era não perder nunca a paciência, estar sempre disposta e fazer comidas deliciosas. Educar seria algo simples e intuitivo. Eu saberia o que fazer em todos os momentos e a culpa, que culpa? Ela não existiria na vida de mãe.

O que eu sempre ouvi é que ser mãe era a coisa mais maravilhosa do mundo, então para mim era ser aquilo que aparecia nas novelas. Parece muita bobeira, mas eu tenho certeza que muitas de vocês também pensavam assim.

Alguém te contou sobre as noites mal dormidas? Ué, não dizem “durma como um bebê”, quando querem te desejar uma boa noite de sono? Como eu poderia cogitar que bebês acordam a cada 2h ou 3h e que isso poderia durar alguns anos? Sim, anos.

Como eu ia achar que cuidar dos filhos me deixaria cansada, sendo que eles quase não chorariam, aliás, bebês só mamam e dormem, simples assim. Eu não fazia a menor ideia que entre mamar e dormir teriam fraldas sujas, cólicas, fazer arrotar e um tempão para ter coragem de tirar o bebê do colo e ter as mãos livres para fazer alguma outra coisa.

E o que dizer de educar um filho então? Não é simples assim, você fala uma vez e ele aprende? Não, muitas vezes nem falando mais de 100 eles aprenderão. E aí, dá para desistir, deixar a educação de lado e que eles aprendam um dia, com a vida, na marra? Também não!

E como eu nunca soube como era ser mãe de verdade, eu não tive dúvidas, queria engravidar, achava que estava na hora e pronto. Muito fácil de decidir. Depois, quando me veio a verdade não tinha a opção de voltar atrás e falar “Oh, vamos fazer o seguinte: volta para a barriga e a mamãe te avisa quando estiver pronta!”. Eu tinha que ser mãe, sendo fácil ou difícil, cansativo ou tranquilo.

Eu me senti enganada! Como nunca ninguém me contou? Como não me pediram para esperar mais um pouco? E aí me lembrei de tantas pessoas que me disseram isso e eu simplesmente ignorei, porque a minha ansiedade em ter filhos era maior.

Vocês devem estar pensando: por que você esta falando tudo isso hoje? Está arrependida de ter seus filhos?

De forma alguma, eles são realmente tudo que mais amo e zelo neste mundo. Mas resolvi escrever para dizer que não está sendo fácil. Não foi quando nasceram e não está mais fácil agora. Tudo bem, tiveram fases que achei que a tempestade tinha passado. Até chegar a próxima. E com isso fui aprendendo sobre como é realmente a vida de mãe. Por muitas vezes eu achei que surtaria, que me jogar da janela era uma boa opção. Mas percebi que não dava para ser assim.

Eu precisava mudar, fazer com que a maternidade fosse muito mais prazeirosa do que pesada. E foi mudando a minha forma de pensar, criando estratégias diferentes e vendo a vida por outro ângulo, que as coisas foram melhorando. Não fácil assim, porque para mudar é preciso coragem de vencer o medo do novo e acreditar que a mudança será para o bem. Mesmo quando estamos na pior, muitas vezes preferimos continuar ali, parados e sofrendo, do que ter que se esforçar para se mexer e alcançar a felicidade.

Parece que nós, mães, não podemos reclamar nunca dos filhos que temos, não podemos achar difícil, não podemos dizer que estamos cansadas! Mas quer saber a verdade? A gente continua sendo seres humanos e por isso temos o direito de sentirmos todas as coisas!!

Quero saber de vocês: qual o maior “problema” ou dificuldade que veem em ser mãe?

Beijos,