Não adianta dar tempo, tem que dar atenção

04 de ago de 2014

Na quinta-feira eu fui no Cinematerna com o Mariah e assisti o filme “Juntos e Misturados”. É uma comédia muito gostosa e dei boas risadas! A ida ao cinema foi ótima, estava mesmo precisando distrair a cabeça e sair um pouco de casa. Fui sem saber o filme, só mesmo para poder fazer algo diferente.

Para quem não sabe o que é o Cinematerna, 1 vez por mês tem uma sessão de cinema destinada à mães com filhos até 18 meses e a sala é toda preparada para nós! Luz fraquinha, ar condicionado mais baixo e trocadores para o caso de precisar trocar alguma criança, é ótimo!! O filme que passa é sempre votado pelas mães que escolhem qual querem assistir. Eu não tinha visto as opções e nem votado em nenhum, mas adorei a escolha!

Ele é uma comédia, que conta a história de uma mãe separada com 2 filhos meninos (um de uns 8 e outro de uns 12 anos) e um pai viúvo com 3 filhas (umas de uns 4, outra de uns 8 e outra de 15 anos). Ambos os amigos querem que encontrem um novo amor, mas eles não se empolgam muito com a ideia. Se conhecem num encontro “às escuras” e não se dão nada bem. Conforme o filme vai passando as coisas vão acontecendo. Não vou contar tudo se não perde a graça para quem for assistir.

Apesar das boas risadas que eu dei, o que eu mais gostei e me emocionei (ser mãe é isso, se emocionar até em filmes de comédia) foi que a história me fez pensar muito em quanto do meu tempo eu tenho dado aos meus filhos. A questão de darmos atenção, não ficarmos o tempo todo focado em trabalho e esquecermos que essa fase tão preciosa – a infância – passa rápido demais!

importancia dos filhos

Conforme eu assistia, ia passando um filme na minha cabeça de como são meus dias com as crianças, principalmente com o Vítor. Nas brincadeiras que eu já deixei pra depois por conta de coisas que não eram tão importantes assim, nos momentos preciosos que já perdi com ele por bobeira minha.

Mesmo a gente sabendo disso tudo, é sempre bom relembrarmos e voltarmos a direcionar nossa vida para o que realmente importa. Não que eu vá jogar tudo pro alto (ok, já quis fazer isso várias vezes!) e ser só mãe, porque no momento não tenho essa opção e eu amo escrever, mas é bom para pensarmos a respeito do que importa de verdade.

No filme mostra o quanto as 3 meninas sentem falta da mãe que morreu de câncer e foi inevitável eu não pensar que isso poderia acontecer comigo. E se eu ficasse doente e morresse? Essa falsa impressão de sempre acharmos que o amanhã virá, sendo que não temos como ter certeza nunca. Já diziam “para morrer basta estar vivo”. Nele também mostra a falta de atenção do pai com os meninos, que mal vai visitá-los e quando o faz tem sempre uma desculpa para não estar junto.

Estou me policiando para dar mais atenção aos meus filhos e poder curtir cada mini pedacinho dos nossos dias e recheá-los com muitas boas lembranças! Juntos nós ficamos todos os dias, mas o que eu tenho feito é pensado sobre como estamos passando esse tempo!

Super recomendo o filme!

Beijos,