O cansaço que não passa

03 de out de 2012

Ultimamente tenho me sentido esgotada. A impressão que eu tenho é que acordo já cansada.  Apesar de ter passado os últimos 20 dias na casa da minha mãe e tendo a ajuda dela e do meu pai o cansaço não foi embora.

Vítor agora engatinha por tudo, sobe nas coisas e esquece que ainda não consegue ficar em pé sozinho, se solta e “bum” vai pro chão.

A exaustão é tanta que muitas vezes sinto tontura e preciso sentar. O que me desespera é que parece que nunca terá fim, que vou me sentir cansada para sempre, sem chance de ter um momento pra mim de novo.

Sei que é fase, que eu vou me acostumar com essa nossa condição e que cada vez mais ele vai me solicitar, mas como lidar com tanto cansado, com esse sentimento de que nunca vai acabar?

Já tentei começar passear mais com o Vítor, distrair a cabeça, mas percebo que passo o dia esperando o momento em que terei uma ajuda – o marido – pra dividir comigo os cuidados com ele. Pra ser sincera, até para dar comida e banho parece difícil.

O que eu tenho feito é cantado, sim cantado. Quando canto parece que tudo fica mais fácil e o Vítor adora! Canto músicas específicas para a hora do banho e para a hora do papá e quando estamos brincando ele começa a dançar, coisa mais fofa.

A noite, quando ele dorme, me sinto aliviada por mais ou menos uns 30 minutos, depois disso me vem uma saudade quase incontrolável dele. Fico lembrando em como foi nosso dia, dos sorrisos, abraços, carinhos e me fortaleço.

Acho que isso que tem me animado, porque passo o dia nessa ambiguidade de sentimentos: cansaço, vontade de ter meu tempo e saudade infinita quando ele dorme e esse meu momento chega. Me sinto culpada, porque penso que deveria me sentir feliz e bem disposta o tempo inteiro, mas quem disse que eu deveria? Oh mania que temos de achar que temos que ser perfeitas o tempo inteiro, né?

Alguém mais se sente assim?

Beijos,