Relato de cesárea: nascimento do Vítor

31 de out de 2011

A cesárea estava marcada para as 7h (da manhã) e meu médico disse que eu precisaria estar no hospital as 6:30, então acordei – mal dormi! – as 5:30, tomei um bom banho enquanto meu marido tomava café da manhã e as 6h saímos de casa.

Chegando no hospital, assim que sentei na recepção para entregar a papelada, a secretária recebeu uma ligação e ela respondeu “estou fazendo a entrada dela agora”. Em menos de 5 mintuos chegou uma enfermeira e pediu para eu ir com ela. Meu marido ficou terminando a parte burocrática e eu já fui pra sala de preparo. Depois a enfermeira disse que eu deveria ter chegado antes e eu expliquei que não sabia, mas foi ótimo, porque não precisei ficar esperando e com isso minha ansiedade foi bem controlada.

Saí da sala de preparo já na maca, encontrei meu marido pelo caminho e quando percebi já estava na sala de cirurgia. A pior parte do parto veio agora, colocar o soro! Eu sempre fui tranquila com relação a agulhas e tudo mais, mas doeu até e pra ajudar as enfermeiras não conseguiam pegar minha veia, uma delas estourou e enfim, foi bem ruim, doeu bastante! Depois sentei para tomar a anestesia, que foi suuper tranquila, só da uma ardidinha no lugar e pronto!

Logo em seguida meu marido entrou na sala, com jaleco, máscara e toquinha! Logo a anestesia fez efeito e começou a cirurgia. Fiquei conversando com a anestesista, que foi muito bacana, ia me explicando o que estava acontecendo, a pressão que eu sentiria na barriga a hora que eles fossem tirar o bebê e tudo mais! Meu marido ficou ao meu lado o tempo todo, conversando comigo. Depois a médica disse que ele tinha nascido, fiquei super ansiosa pra ouvir o choro dele e quando ouvi, nossa, nem sei explicar o que senti.

Quando o pediatra me mostrou ele a primeira coisa que eu disse foi “Nossa, ele é muito pequeno!”. Não sei porque tive essa reação, mas acho que foi porque achei que ele nasceria maior e me assustei com o tamanhinho dele. Logo o pediatra o levou para a sala de exames e meu marido foi junto. Eu fiquei conversando com a anestesista até eles voltarem com meu pequeno já todo enroladinho!

Como eu tinha pedido pro pediatra que queria dar de mama logo que ele nascesse, ele chamou uma enfermeira para me auxiliar na amamentação, já que eu estava deitada e toda cheia de panos. Ela veio, me ajudou, mas nada do Vítor querer pegar meu peito, ele ficou ali como se tivesse tentando entender o que estava acontecendo e nem tentou pegar o peito. Aí depois de un minutos eu disse que ela poderia levá-lo e que no quarto eu tentaria novamente. Foi uma pena, mas pelo menos eu tentei!!

Depois disso meu marido também teve que sair e eu fiquei lá esperando os médicos terminarem a cirurgia. Eu fiquei acordada o tempo todo, até depois na sala de recuperação, isso foi ruim, porque eu estava ansiosa, querendo ir logo para o quarto. Tive que ficar mais tempo que o normal no sala de recuperação, porque o único efeito colateral da anestesia foi a tremedeira que me deu, por isso a médica pediu para eu ficar 30 minutos a mais até melhorar.

Meu parto foi tão tranquilo que esse relato ficou até sem graça, né?

O pós-parto foi muito bom também! No dia que o Vítor nasceu eu estava ótima, sem dor, sem mal estar, nem nada, perfeito. No dia seguinte foi o caos: passei muito mal de dor, minha pressão caiu, não consegui andar pelo hospital e foi terrível!

Uma coisa importante que não posso deixar de dizer: depois do parto o médico me pediu para não falar muito, pois quando falamos engolimos ar, mas como no dia a dia somos ativas eles não acumulam, mas como eu ficaria deitada, era melhor não abusar. Ok, mas quem disse que eu levei a sério? Falei, falei, falei e por isso que passei tão mal no dia sgeuinte! Por isso meninas, quando o médico der algum conselho, levem a sério!

Depois de 2 dias eu já estava 100%. Não senti mais dor, nem mal estar, nem nada. Aliás fiquei tão bem que preciso me policiar para não abusar. O médico me explicou que o corte por fora não é nada perto de como está por dentro, pois ele precisou abrir 7 camadas até chegar no útero e por isso todo cuidado é pouco.

Ele me proibiu de fazer esforço, dirigir e coisas assim. É a tal da quarentena, né? Só dpeois que tudo estará liberado!

Demorei,mas consegui escrever o meu relato de parto! UFA! Não me arrependo nem um pouco de ter feito cesarea, minha recuperação está sendo muito boa e está tudo bem, agora é só mesmo me adaptar a nova rotina, a vida de mãe!

Beijos,

ATUALIZANDO: Depois do Vítor engravidei da Mariah e pude aprender muuuito sobre parto normal, seus benefícios e tudo que eu e o Vítor passamos sem necessidade. Para quem quiser saber mais:

Relato de parto domiciliar

Atualizando de novo no dia 30/09/14: vim reler meu relato e meu doeu o coração. Doeu ver as fotos e lembrar de tudo e mais ainda eu escrever que não tinha arrependimento de ter feito cesárea. Isso hoje destroça meu coração. Não apaguei nada do que escrevi na época, porque a vida é assim mesmo, a gente vive, aprende e pode mudar de opinião. Graças a Deus! Se você não entendeu porque hoje me arrependo amargamente da minha cesárea, clique aqui!