O que aprendi com meu filho

14 de fev de 2015

Este texto foi escrito pela Gabrielle Dorow

familia prematuro copy

No primeiro segundo de vida, meu filho me ensinou a ser forte. Nasceu, e não chorou. Fiquei preocupada. Logo em seguida o médico me informou que teve um problema respiratório, mas não era grave…iria pra uti mas no dia seguinte já estaria no quarto.
No dia seguinte, meu filho me ensinou que a vida tem outros valores, e não o que estamos acostumados. Ele piorou e os médicos não sabiam quando ele sairia da uti, e nem se sairia…nesse momento senti a pior dor do mundo. Falei pra mim mesma: não sei o que farei da minha vida se algo acontecer, perdi meus chão, meus sentidos. Nada tinha importância, nada tinha valor, faria QUALQUER coisa para ele se recuperar.
No primeiro dia que o vi na uti, meu filho me ensinou o valor de um beijo. Beijei sua encubadora, mas era como se o amor que tinha naquele beijo, fosse transmitido pra ele.
Dois dias depois meu filho me ensinou que tudo que eu tenho não significa absolutamente NADA. Voltei pra casa e ele continuou na uti. Que dor horrível!! Seu quartinho, suas coisinhas, não suportava olhar tudo isso…
Uma semana depois meu filho me ensinou que pequenos detalhes valem mais que muitas coisas. Chegamos na uti e ele havia desentubado, que sensação boa!
Meu filho me ensinou que tenho o melhor marido do mundo. Nunca deixava eu desaminar, por mais que ele estivesse arrasado por dentro. Horas na salinha da uti tentando tirar uma gota de leite que fosse, pra enfermeira poder colocar na sonda e complementar a alimentação. Se não fosse ele me apoiando, ficando do meu lado, e até me ajudando a ordenhar, não teria conseguido. Por isso, meu filho também me ensinou o valor de 1 ml de leite materno: vale mais que ouro.
Meu filho também me ensinou o valor da família. Nossa família foi maravilhosa e nos deu muito apoio, para não desmoronarmos. Eles não têm ideia do quanto foram e são importantes.
Meu filho me ensinou que na hora do desespero tiramos forças de algum lugar, que não sabemos qual é. Aliás, sabemos sim. É dele mesmo! Aquele ser tão pequeno e frágil, era dele que tirávamos forças todos os dias.
Meu filho me ensinou o valor das lambidas e do carinho. Quando chegávamos em casa do hospital, e recebíamos aquelas três lambidas cheia de amor, elas queriam dizer: calma, tudo vai ficar bem.
Depois, meu filho me ensinou o valor do choro. Quando encostava em seu pezinho, os dedinhos mexiam…ele esboçava uma cara de choro…como eu queria ouvir aquele choro! Ele ainda estava sob efeito da sedação. Chorei eu, de emoção. Até então…Meu filho havia nascido e eu não o peguei no colo, não o ouvi chorar…
Dois dias depois meu filho me fez sentir a sensação mais maravilhosa, peguei-o no colo! Ele ainda estava com acessos de remédios, mas nunca vou me esquecer desse momento. Beijei sua cabeça, senti seu calor em mim. Não queria soltar, nunca mais! Não sei se vou sentir algo igual em toda minha vida.
Quatro dias depois, meu filho me ensinou que eu precisaria ser forte, ele precisava de mim. A médica nos informou que eu o amamentaria. Que alegria! Ele mamou tanto, senti que eu era muito importante pra ele.
Duas semanas depois do seu nascimento, meu filho me ensinou qual seria o dia mais importante da minha vida: o dia que ele saiu da uti. Como eu sonhei com esse dia! Ir embora todos os dias e deixá-lo no hospital…ficar acordada , chorando durante a madrugada, imaginando como ele estava….isso iria acabar! A melhor notícia que recebemos, sua recuperação foi muito boa, e ele estava preparado. O sufoco havia passado, e agora sim ele teria a vida de um bebê normal, e eu de uma mãe normal…era como se ele nascesse de novo.
Um dia depois meu filho me ensinou a ter paciência. Cólica interminável, e eu precisa ouvir seu choro de dor, até que a dor passasse. Ela passou.
Dois dias depois meu filho me ensinou que agora tudo fazia sentido. Entramos em seu quarto, com ele nos braços. Tudo que eu havia comprado, roupinhas, fraldas, brinquedos…tudo era maravilhoso.
Depois disso, meu filho me ensinou o valor do sono. Acordar de madrugada é tão maravilhoso quando você olha aquela boca banguela e ela abre um sorrisão pra você: ficaria dias sem dormir direto, só pra ver esse sorriso.

Meu filho tem apenas dois meses, mas já me ensinou mais coisas do que aprendi em 27 anos…e depois de tudo isso que passamos, só tenho certeza de uma coisa: faço qualquer coisa por ele, e sei que ele ainda vai me ensinar muita coisa.

 

Quem se identifica?

Beijos,