Planejando as finanças para a chegada do bebê

20 de ago de 2012

Encontrei algumas dicas sobre finanças para as famílias se programarem no Jornal Folha de São Paulo de hoje e achei bem interessante! Em roxo meus comentários a respeito.

Planejando as finanças para a chegada do bebê

1. Cerca de dois anos antes da gestação, coloque no papel os investimentos iniciais;

– Acredito que 1 ano antes é o suficiente. Para quem não faz ideia de quais são os investimentos iniciais, vale a pena dar uma olhada na lista de enxoval de bebê(clique aqui) que tem disponível no item “listas” aqui no blog.

2. Relacione as despesas que serão recorrentes: babá, fraldas, vacina, etc;

– É legal pensar sobre se será necessário ter babá, qual o período, pesquisar valores e também a respeito do plano de saúde ou se a criança será atendida apenas particular, já que no primeiro ano o bebê deve ir ao pediatra todo mês.

3. Fuja das grifes e procure produtos mais baratos. Pesquise preços o quanto antes em diferentes lugares;

– Acredito que não precisa fugir totalmente das grifes. Várias marcas entram em liquidação pelo menos 2 vezes ao ano com preços bem acessíveis. O risco de comprar roupinhas muito baratas é que muitas vezes elas não tem qualidade e logo alargam, enchem de bolinhas, soltam botões e o barato acaba saindo caro.

4. Não se deixe levar pelos apelos emocionais da propaganda. Gastar pouco não significa falta de preocupação;

– Super concordo! Hoje em dia as propagandas voltadas as gestantes e bebês são bem apelativa e fazem as pessoas acreditarem que elas precisam de certos produtos que muitas vezes são dispensáveis.

5. Faça um chá de bebê por volta dos 6º mês e peça fraldas. Se precisar, compre na liquidação (mas não se endivide para isso);

– Pedir fraldas é uma ótima ideia! Faça a média de 30% de fraldas P, 40% de M e 30% de G. Outro conselho é colocar as marcas das fraldas que você vai querer usar para não correr o risco de ganhar muitas fraldas de marcas que você não gosta.

6. Faça um fundo para eventualidades aplicando certa quantida em um investimento conservador;

– A poupança é uma boa dica. Rende pouco, mas você tem a flexibilidade de tirar a qualquer momento, caso precise. Quando o bebê nascer é legal fazer uma previdência privada junior, que rende mais que a poupança e é a longo prazo.

7. Pense em um seguro de vida. A criança pode precisar de uma reserva se algo acontecer com os pais.

– É interessante que um dos pais faça um seguro, assim o filho não ficará desprotegido.

8. Inclua um adicional de supermercado no orçamento a partir do 1º ano de vida;

– Esse adicional  vai acontecer de forma natural, acredito eu, pois a criança passará a comer as mesmas coisas que os pais, além de produtos indicados para a idade.

9. Se você não se planejou e o orçamento está apertado, coloque receitas e despesas no papel e corte gastos.

– Acredito ser importante mesmo para quem não está apertado, pois organizar as finanças faz com que você consiga perceber o que está gastando a toa e economizar para coisas mais importantes.

Leia mais:

Enxoval de bebê: como montar

Tudo sobre a chegada do bebê em casa

Beijos,