[Relato de Parto] A chegada da Elisa

06 de dez de 2012

O relato de parto de hoje é da Sabrina, uma amiga muito querida! Ela também tem um blog e quem quiser ver como a Elisa está hoje, só correr lá Jeitinho Sabrina de ser Mãe.

Duas e meia da manhã, acordei toda molhada e demorou um pouquinho pra ficha cair de que era a bolsa que (finalmente) havia estourado. Nessa hora bateu um friozinho na barriga e pensei: “Vamos minha filha, vai começar nossa aventura!”
Eu estava tranquila, não sentia dor e cheguei a pensar que ainda levariam horas até que chegasse o grande momento. Tomei um banho quentinho, organizei algumas coisas em casa, avisei meu filho mais velho, fizemos uma oração em família e seguimos para o Madre Cor.
No caminho me perguntei várias vezes: “Onde estão as dores?”.. Velhas conhecidas minhas, vividas há 15 anos atrás. A barriga estava um pouco endurecida, mas nada me lembrava o meu primeiro parto, que logo quando rompeu a bolsa, as dores já vieram intensas.
Chegamos no hospital as três e meia. Dei entrada pelo pronto-socorro e fui resolvendo as questões burocráticas enquanto meu esposo estacionava e descia as malas. Nesse momento eu já sentia as contrações, um tanto quanto incômodas, mas estava suportando bem a dor, caminhando cada vez que elas vinham, respirando fundo e mentalizando meu corpo se abrindo para dar passagem a minha pequena.
Resolvida a papelada, Dra Silvia a caminho, me encaminharam para um quarto, no pronto-socorro mesmo, para eu aguardar mais a vontade até liberarem o meu apartamento no hospital. Foi quando todo o processo acelerou. As dores vinham mais intensas em intervalos menores.

Sim, eu senti dor, mas liguei um reggae gostosinho no celular e dancei nesse momento enquanto meu esposo brincava de tirar fotos.
Dra. Silvia chegou, me mediu (dilatação de 6 cm), foi organizar algumas coisas, desci da maca, dei mais alguns passos e na contração seguinte (a mais dolorida de todas), veio a vontade de fazer força. “Ela está coroando, vai nascer”…
Sim, era a hora!! Me posicionei no chão de joelhos, lençóis e travesseiros improvisados para me dar mais conforto. Mais uma força e veio a cabecinha. Fiquei alheia a todo o resto do mundo. Visualizei mentalmente cada movimento que minha pequena faria até deslizar inteira de dentro de mim. “Vem minha princesa, pode vir”…
Na contração seguinte nasceu Elisa! 49 cm, 3.385 kg. Linda, rosadinha, amparada pelo papai e pela Dra Silvia. Foi colocada num travesseiro e enroladinha numa toalha, calminha, sem choro… “Seja bem vinda pequenina”…
E lá estávamos nós, juntas, ofegantes, no chão, cercadas de amor, recém-nascidas. Eu como mãe novamente e ela como minha filha.
Papai cortou o cordão, mamãe bateu a foto… Não deu tempo da tia Kelly chegar para registrar tudo, mas todas as lembranças ficarão eternizadas em nossos corações.
Aprendi que a dor faz parte, mas não significa sofrimento. Tive o privilégio de viver um momento mágico, único, verdadeiramente abençoado… Nada como planejei, mas infinitamente melhor do que eu esperava.

Doze dias depois, ainda em êxtase, só tenho a agradecer. Primeiramente a Deus que concedeu o desejo do meu coração, ao meu filho que me ensinou a ser mãe, ao meu esposo que me apoiou incondicionalmente, me dando força em todos os momentos, a Dra Silvia, anjo que Deus colocou no meu caminho e a Kelly, minha doula, por toda orientação, conversas, fotos e paciência!! rsrsrs
Se eu pudesse fazer alguma coisa diferente? …. Teria feito tudo exatamente igual!

Beijos,