Parto natural humanizado

17 de ago de 2012
Nome: Liz Andrea Chen
Primeiramente tenho muito a agradecer a Deus pela realização desse sonho: parto natural humanizado, com diagnóstico de infertilidade, beirando 39 anos.

Tudo começou em 11/06/2012 à noite com muito sangramento e algumas contrações, a médica pediu para ir ao hospital (com as malas), mas para falar a verdade eu ainda não estava pronta para este momento… sentia medo, achava que o bebê (até então não tinha certeza do sexo) viria próximo da data prevista (17/06)… a saída de casa foi um pouco tensa e por isso a doula nos encontrou na maternidade dizendo que eu quase causei um enfarto… ainda bem que o coração dela é forte pois as emoções estavam só para começar!!

 Depois de um cardiotoco normal, o toque mostrava 1,5 de dilatação!!! Que ótima notícia! Neste momento percebemos como uma equipe humanizada faz a diferença porque eu poderia ter uma (desne)cesárea naquela noite…
Passei a terça e a quarta com pouquíssimas contrações leves e estava preocupada com o resultado do streptococo que deu positivo 3 vezes (mesmo fazendo 2 ciclos de tratamento com alho “double x 24hours” para tentar negativar… mas este processo me deixava com um cheiro de tempero que invadia qualquer lugar que eu fosse…nem eu suportava!!) e me obrigaria a chegar no hospital com no mínimo 4 horas de antecedência para 2 doses de antibiótico. E ainda por cima uma possível lesão ativa de herpes (impeditivo total para o parto natural) o que nos fez parar com os exercícios de períneo e Epi-no (tínhamos chegado em 27cm).
Na quarta (13/06/2012) fiz aula de yoga (não perderia por nada!) e na volta para casa senti 1 contração. Por volta das 21h30 eu estava no banho e ouvi um “tumtum” na barriga… perguntei se o Yu (marido) tinha ouvido (é claro que não…) e como eu ia saber que a bolsa avisava? A minha sim…tinha estourado, ligamos para a obstetra e para a doula e quando deitei óbvio que a cama virou uma piscina porque a cabeça estava fazendo um “tampão” enquanto estava de pé.
22h começaram as contrações e eu tinha em mente que o trabalho de parto duraria no mínimo 12 horas. O Yu começou a cronometrar e me colocou no chuveiro com a bola de pilates, mas as contrações começaram fortes, longas e pouco espaçadas e eu pensando: mais 12 ou 24 horas??? Eu não vou conseguir, não vou aguentar !!!
A doula chegou !!! Que bom ouvir a voz dela…eu a abracei (acho que me pendurei nela) e pedi ajuda, tinha certeza que não ia conseguir… onde estava a minha fé? Mas eu estava na “partolândia” com a consciência totalmente alterada pela oxitocina (o Yu disse que eu virava os olhos, ainda bem que eu não xinguei ele, pois ele era o bravo guerreiro da noite!
Yu: Tira uma foto da gente no chuveiro? (ele todo molhado fazendo massagem na minha lombar)
Doula: Não dá tempo!! Vamos sair!!!
Quando me tiraram do chuveiro eu disse “vamos assim mesmo” e saí andando (sem roupa?!?!) então me vestiram (um glorioso macacão que eu tinha separado para a ocasião)…mas depois viram que a roupa estava ao contrário! E eu nem percebi…Aliás eu tinha pedido para a doula não me deixar descabelada (até parece que lembrei disso na hora!).
Doula: está com vontade de fazer força? (Pois eu já estava com dilatação completa e iniciando o expulsivo!! Mas só ela sabia disso…)
Eu: Não … eu pensei (e tinha esta parte? )
Quando chegamos na porta eu senti um “puxão” involuntário “para baixo” e senti um volume!!!
Eu: senti a cabeça!!
Doula: Pode ser só a sensação… mas ela sabia que não era…no elevador ela ligou e pediu para a doutora ir para a maternidade numa calma que o Yu pensou até que a médica não estaria lá…
Deitei no banco de trás no colo dela, no meio do caminho senti mais um “puxão” e senti a cabeça do meu bebê coroando e mais um puxão… ela pedia para eu soprar (eu nem sabia mais o que era soprar, pedi para ela soprar comigo), mas quando coloquei a mão, senti o volume do topo da cabeça e tentava “segurar e colocar para dentro”… Deus me ajuda, tá nascendo no carro!!! O Yu a 100km por hora na avenida orando para dar tudo certo e segurando a minha mão…Depois vai ter que recorrer às multas!
Chegamos (de ré na contramão) !! O segurança trouxe uma cadeira de rodas (pensei: como vou sentar??) e a doula me levou para o OS. Quando vi a doutora, que felicidade!!! Ela me colocou na maca para fazer um toque, quando gritou: cabelo!!! corre!!!! E começou aquela correria…subimos para a labor delivery room (LDR) que tanto vimos em livros, equipada com banheira, estrelinhas no teto, etc…Linda!
 A minha chegada na LDR, ainda bem que o Yu chegou a tempo !!!
A doutora disse: vamos para o banquinho (de cócoras) e eu disse: não vai dar!! Eram só 2 passos…o Yu lembrou de ligar para o pastor fazer uma oração (eu tinha pedido isso durante toda a gestação) e quando sentei, a Nathalie Yuli escorregou de uma vez nos braços dela. Nossa sorte é que a doutora é goleira, pois senão a Yuli teria caído no chão!!
Eu estava muito assustada…não entendia nada, afinal foram 1h40 de trabalho de parto e quase ela nasce no box de casa!!
Detalhe: temos este momento tão maravilhoso registrado com poucas fotos (o Yu levou tripé para fotografar e filmar e ficou tudo na recepção, aliás ele subiu sem preencher nenhum documento ou autorização) todos na LDR sem paramentação, inclusive a doutora sem luvas !!!! Não deu tempo nem para isso!!!
 E Graças a Deus a Yuli nasceu às 23h42 saudável, com os olhos arregalados, olhando todo mundo, chorando forte (Apgar 9/10) e não teve nenhum problema com o streptococo positivo (chegar 4 horas antes para fazer antibiótico?!?!), nem com a possível herpes e nem com icterícia (esta ela tinha grande tendência…).
Toda hora alguma enfermeira vinha buscá-la no quarto… e era porque todos estavam maravilhados com a nossa história abençoada e ela ainda era a maior bebê do berçário, todos queriam vê-la: 3,4 kgs e quase 50cm de altura.
Beijos,