Sobre quando você vier me visitar

22 de ago de 2016

Texto escrito por Patrícia Rodrigues Martinez

Não estou infeliz, apenas cansada!

Não se assuste se eu te recebi com o short do pijama, cabelos desgrenhados, a casa fora de ordem e olheiras sem tamanho.
Não se assuste, mesmo!
Isso não é infelicidade. É apenas cansaço. Muito cansaço!

Mesmo assim você será bem recebida, teremos café, chá ou refri e bateremos longos papos. Talvez o papo esteja monotemático: os filhos. Como é fofo, como engordou, como o outro está ciumento, como são parecidos, como são diferentes… Pois é! Sinto muito por isso. Mas não faltarão gargalhadas, sorrisos e talvez até uma lágrima ou outra ao contar sobre as últimas semanas…

Talvez você queira dar aquele toque sobre o esmalte descascando das minhas unhas e queira até me “ajudar com o baby” enquanto eu corro lá pra tirar ou retocar, mas, sabe? Sinceramente talvez esses minutinhos que você vai se dispor pra me “ajudar com o baby” serão deliciosos momentos que poderei passar deitada na cama, sem mais delongas.

Talvez você sugira que eu use aquele corretor de pele para as olheiras e que ficaria melhor e coisa e tal, mas talvez eu ainda não tenha tido a chance de escovar os dentes. Tá. É sério..rs!
E aí você pode querer ajudar a solucionar o problema do baby não dormir à noite…rs… você pode sugerir “chupeta”, ou “não, de jeito nenhum porque estraga os dentes e atrapalha na amamentação”;
você pode sugerir o “chá de camomila ou erva doce ou funcho”, ou “de jeito nenhum! Tá louca dar chá pra um bebê que nem tem um mês?”;
você pode sugerir deixar chorar que ele dorme ou “não mesmo! Deixar chorar é coisa de gente má….”

Enfim… você pode pensar em ajudar com as cólicas do baby então: “banho, deitar de bruços, massagem, com óleo vegetal, mineral”, “óleo de cozinha mesmo, tá doida!? é brincadeira”…

E depois da visita você vai se despedir, dizendo que está preocupada porque o bebê mama o tempo todo e que eu vou sumir e que eu tenho que perder logo essa barriga e que depois dos 30 a gente nunca recupera o corpo e que se não usar a cinta vai ficar tudo dependurado e que sutiã de amamentação prende o leite no peito e dá varizes (???!!!) e que eu tenho que comer melhor e que não é bom tomar refri por causa dos gases do baby e que eu tenho que ser mais firme com o mais velho e que eu tenho que me arrumar melhor porque se não o meu marido vai arranjar fora o que ele não tem em casa e que eu tenho que colocar logo o DIU mas que uma amiga sua engravidou com o DIU e que eu tenho que ter cuidado pra não engravidar de novo porque três filhos é ainda mais difícil e que se vier outro filho que seja uma menininha e que é Deus que sabe de todas as coisas….

Aí, talvez, você pense que estou triste e infeliz com toda essa condição.. Que essas olheiras, o short do pijama e o esmalte descascando é o fim da picada pra uma “diva”.

Só quero te tranquilizar… não é infelicidade não. É só cansaço! Mas, sabe… eu já tenho um “pouquinho” de experiência nesse cansaço. E eu descobri um tempo atrás um mantra. E eu continuo a proferi-lo todos os dias e, principalmente, todas as noites de sono, de cansaço, de irritação, de fome… “Vai passar, Patrícia, vai passar, Patrícia, vai passar, Patrícia”.

Ahhh, já ia me esquecendo: muito obrigada pela sua visita! Foi ótimo! Volte sempre!!!

Achei esse texto tão verdadeiro! Quem não é mãe muitas vezes não entende como a gente pode andar desleixada ou não cuidar da casa como deveria. Ainda mais nos primeiros meses!

O que vocês acharam?

Beijos,