Sono materno

19 de nov de 2014

Eram 5:30 quando a Mariah tinha acordado pela milésima vez na noite, pela décima ou mais noite seguida. Eu já não conseguia mandar meu corpo levantar para ir ver o que estava acontecendo, mesmo assim levantei e fui.

Ela não estava com fome, pois tinha mamado a menos de 1h, então tentei fazê-la dormir de novo, no berço. Sem sucesso, ela queria mesmo era colo. Eu dei. Não fiquei pensando que assim estaria deixando-a mal acostumada, porque naquela altura, tudo que eu mais queria é que ela dormisse para que eu dormisse também.

Já faz mais ou menos 1 ou 2 meses – perdi as contas – que estamos assim. Ela dorme mal, acorda muito e durante o dia tira 2 cochilos. Eu fico imprestável no dia seguinte e com as olheiras cada vez maiores. Passo bem durante a manhã, mas depois do almoço o sono bate com força e minha vontade é de deitar quando ela dorme e capotar, nem que seja por 20 minutos.

Só que não dá. Muitas coisas me esperam e muitas delas não podem ser deixadas para depois. Não tenho a opção de dormir junto e descansar e por isso rezo para que a próxima noite seja melhor.

sono materno

Lembro de ter passado por uma fase assim com o Vítor, mas era muito mais cansativa e estressante. Era muito diferente. Com a Mariah eu já sei que é fase, já sei que um dia vai passar e já sei que nada vai adiantar. Então acabo me conformando. Mesmo assim o cansaço continua sendo meu amigo fiel.

Eu acordo cansada e isso é tão ruim!! Acordo com a sensação de que ainda me falta boas horas de sono e sonho com o dia – bem distante no momento – em que eu vou dormir até acordar sozinha. Sem choro. Sem despertador. Sem nada. E sim, eu sei que quando esse dia chegar, sentirei saudades absurdas da época em que eles estavam aqui comigo, porque provavelmente, nesse dia, cada um terá tomado seu caminho.

Como agora sei como a velocidade do tempo é cruel e transforma nossos bebês em um piscar de olhos, tento não reclamar dessa situação em que estou vivendo, mas gente, o que eu faço com o sono? Com a vontade de nada fazer? Sem contar que atrapalha minha criatividade para escrever, para cuidar do blog e do meu trabalho.

Mas vamos lá, que já já o tempo voa de novo, me pega de surpresa e me diz que “é, Mariana, enquanto você reclamava ela crescia… olhe para sua bebê agora, onde ela está? Já é uma menina!”.

E vocês, como lidam com a falta de sono, aliás, com o excesso de sono e a falta de tempo para dormir?

Beijos,