Vida de Mãe – um dia da minha

21 de jun de 2014

Acorda as 6h com um despertador que pula em cima dela gritando “mamãe, mamãe, acóóóóda!”. Levanta cambaleando, faz o leite do filho. Enquanto ele toma, vai se arrumar rezando para a mais nova não acordar querendo mamar.

Pede pro filho fazer silêncio e escuta o marido falando “shh,shh,shh” o tempo todo enquanto você se arruma numa velocidade surreal. Tá pronta! Volta pro quarto, pega o uniforme, tira fralda, põe cueca, leva fazer xixi. Vão para a cozinha, pão com requeijão:

– Come filho, senão vamos nos atrasar!

Escova os dentes, lava a boca, pega a mochila. Beijo no papai, chave do carro, bolsa. É hora da escola! Para o carro, pega o filho, a mochila e a sua bolsa. Entra na escola, entrega o filho pra professora:

– Tchau filho, até mais tarde!

Volta pra casa. UFA! Já está cansada?? Calma que ainda são 7h! Filha ainda dorme:

– Vamos tomar café juntos?

Esquenta leite, corta o pão,  a fruta e entre uma mordida e outra conversa com o marido. Eles terminam, o marido se arruma e vai trabalhar. “Será que dá tempo de trabalhar um pouquinho também?” ela pensa. Dá uma olhada na filha, vai pro computador. Programa a fanpage, escreve texto, edita fotos. Rápido, rápido que ela vai vai acordar:

– Nhééé,nhééé!

Acordou. Vai pro quarto e canta a música que sua vó cantava pra ela:

– Acorda Mariah que é dia, são 8h e o sol já raiou. Os passarinhos fizeram seus ninhos, na varanda do seu bangalô…

Troca fralda, pijama e dá de mamá. Mama, mama, mama, mama, enquanto ela mexe nas redes sociais pelo celular. Termina, arrota, brinca no colo, carrinho e cadeirinha. A filha já começa a dar sinais de sono. Balança pra um lado e para o outro. Prono, dormiu.

Põe no carrinho e corre pro computador. Verifica e-mails, responde os que dá, pensa em temas para os próximos posts:

– Nhéééé!

– Já acordou, filha?

Pois é, a menina dorme pouco, só um cochilo e já está pronta para mais bincadeiras. Balança o carrinho na esperança de mais uns minutinhos, mas não adianta, a pequena quer mesmo é brincar. Brinca, brinca, põe no sling e vai comer alguma coisa.

“Nossa, já são 10:30!”. Liga na marmita e pergunta o que terá de almoço, escolhe o que vai querer comer, põe roupa pra lavar, organiza algumas coisas. Dança, canta e ri com a filha nos braços que se diverte com toda a farra.

Hora de mamar de novo! Senta no sofá, pega a almofada de amamentação e o celular. Percebe que já são 11:30 com a chegada do filho e do marido para o almoço. Termina o mamá, põe no carrinho, reza pra ela dormir enquanto todos almoçam.

Dá comida pro filho, faz seu prato e:

– Nhééé, nhéé!

Deixa o prato na mesa, vai pegar a filha, enquanto o marido almoça. Escova os dentes do mais velho, tira o uniforme dele e cama. Hora do descanso da tarde, do filho. Continua com a pequena no colo enquanto marido ainda almoça. Ele termina e pega a nenê para ela poder, enfim, almoçar.

Dá uma garfada e “ui, que comida fria”, um minuto no microondas e problema resolvido! Almoça comida quentinha, mas a força do hábito a faz comer depressa demais para saborear os alimentos. Só lembra disso quando acaba. “Será que dá tempo de uma sobremesa?”:

– Amor, tenho que ir!

É, hoje não vai dar, vai pra sala, pega a filha, se despede do marido e dá uma olhada no filho que dorme tranquilamente. A menina também está com sono e acaba dormindo no colo dela. Mais uma tentativa de trabalhar. Põe o carrinho na sua frente para poder balançá-lo com o pé, caso ela acorde.

Responde os e-mails que faltavam, resolve problemas do blog, abre as mensagens na fanpage. Tem vontade de escrever redações enormes de resposta para cada pessoa que a pede ajuda, mas só consegue ser rápida e resumida sobre tudo que realmente queria escrever. “Tomara que ninguém ache ruim” – ela pensa.

Quinze horas, o filho mais velho acorda. A filha ainda dorme. Corta uma fruta, dá para ele e depois o leva para o banho. Abre o chuveirinho, lava a cabeça, passa condicionador, lava o corpo:

– Quer brincar um pouquinho na pisicininha, filho?

– Queero!

Pega a piscininha, deixa o chuveirinho ligado um pouco enquanto a enche. Ele entra com seus brinquedos e ela fica organizando uma coisas no quarto e de olho no menino que brinca. Por sorte a filha não acorda e ela consegue tirá-lo do banho sem maiores transtornos. Ele pede pra ver um pouco de desenho. Tudo bem!

A filha dá sinais de que vai acordar, ela começa a preparar o banho dela. Separa roupa, enche a banheira, confere a temperatura da água. Deixa a toalha no jeito. Ela acorda de vez. Tira a roupa, a fralda e corre pro banho:

– Lava, lava, lava, lava, lava, lava uma orelha, uma orelha, outra orelha, outra orelha…!!

Canta a música que ouvia quando criança e a menina ri muito durante o banho. Lava o rosto, os cabelos e o corpo todo. A segura na banheira para que ela bata os pezinhos e aproveite um pouco. Acabou. Puxa a toalha, a embrulha e vai pro quarto para arrumá-la.

O filho atrás dela o tempo todo querendo ajudar com a irmã mais nova. Deita na cama junto com ela e vê a mãe trocando-a. Põe fralda e a roupa rapidinho. Seca o cabelo e penteia. UFA! Hora do mamá de novo.

A barriga dá sinais de que está passando da hora de comer, mas um intervalo agora é impossível. Amamenta a filha enquanto o filho fica ao seu lado, mexendo no seu cabelo. Esquece de comer e liga o rádio. O filho pede para dançar a música da manga que tem chulé (é um CD daqui da cidade mesmo da banda João, Frida e as meninas). Ela coloca e dançam os três juntos.

A tarde voa como nunca e logo o pai chega do trabalho. Hora da janta. Prepara o prato do filho e o marido começa a alimentá-lo. Ela fica na sala com a filha que já pede para mamar novamente. Ela mama, o marido janta e o filho brinca na cozinha conversando com o pai.

O marido vai pro banho e ficam os três na sala. Ela nem se lembra que não comeu desde a hora do almoço e entra no banho. Pela primeira vez no dia, tem uns minutos só para ela. Pensa em como foi o dia, percebe que sua bateria já está quase acabando, mas se lembra que são quase 20h e logo todos estarão dormindo. Sai do banho e vai comer alguma coisa.

Depois ajuda com as crianças, senta no chão do quarto para montar castelos com o mais velho e logo é hora de começar o ritual da noite. Apaga as luzes da casa e deixa só o abajur aceso. Faz o leite do filho, tira a roupa dele e coloca o pijama, enquanto o marido cuida da filha menor. Ele toma o leite, escova os dentes:

– Dá boa noite pro papai e pra sua irmã, filho!

Boa noite, boa noite. Vai para a cama. Ela dá um beijo, diz que o ama e encosta a porta do quarto. Segundo UFA do dia. Pega a filha, troca a fralda, põe pijama e dá mamá. Como já está tudo silencioso e escuro, geralmente a filha dorme, se não, ela a faz dormir e berço:

– Boa noite, meu amor, durma bem!

Chega na sala, olha pro marido aliviada. Acabou o trabalho do dia, finalmente ela poderá fazer o que quiser, sem preocupação e o que ela escolhe fazer? Fácil:

– Boa noite amor, estou morta e vou dormir!

Mais um dia que se vai, mais uma noite que começa e que poderá ser cheia de mamadas e tumultos. Ou não. Quem sabe? Por via das dúvidas, melhor dormir e descansar! Fica para depois o filme, o livro ou o texto. O que não dá para deixar pra lá é a única hora do dia que eles tem para ficarem juntos, mas nem sempre ela consegue sem dormir no meio da conversa.

É a vida de mãe, é a vida dela. Todos os dias.

Beijos,