Você quer menino ou menina?

26 de set de 2012

Antes de engravidar, quando eu pensava em ter filhos, era sempre menina. Nome, roupinhas, sapatinhos, era sempre tudo cor de rosa. Engravidei e aí comecei a ficar com medo de pensar em menina, porque e se fosse menino?

Aí sempre tinha aquela pessoa  – incoveniente – que me perguntava o que eu queria e a resposta básica de 99% das mães “Ah, tanto faz, quero mesmo é que venha com saúde!”. Apesar de, claro que queremos que venha com saúde, acredito que a grande maioria das mães tenham preferência por um ou outro sexo (mesmo que não assumam isso).

Bom, descobri que era menino e em um primeiro momento fiquei sem saber o que pensar, o que fazer, cadê meu mundo cor de rosa ? E os nomes? Roupinhas? Sapatinhos? Preferi não conversar sobre isso com ninguém, por puro medo de assumir pra mim mesma esse sentimento e também, porque sempre ouvia que a criança sentiria minha rejeição.

Passado algum tempo, comecei a me sentir mais a vontade com o azul, já estava gostando de roupinhas e coisas de meninos e fui preparando o enxoval. E então Vítor nasceu.

A sensação que eu tive é que meu mundo jamais poderia ser rosa, como eu combinava com o mundo azul que o Vítor tinha me dado! Foi até engraçado em como me dei bem tendo um filho homem e principalmente, como eu gostei da ideia!

Hoje Vítor tem quase 1 ano e eu já nem lembro mais que ainda existe um mundo rosa. Sempre olho coisas de meninos e quando penso na próxima gestação? Menino, claro! Já estou guardando as coisinhas do Vítor para o próximo e ainda não consegui pensar se caso vier uma menina.

Mas por que estou escrevendo sobre isso? Porque sei que muitas mães passam pelo mesmo, muitas sofrem com o sentimento de acharem que estão rejeitando seus filhos e acham que essa sensanção nunca passará. Para quem está passando por isso, tem o relato de uma leitora quando estava grávida e também tinha este sentimento: “Queria menino, mas é menina”

Beijos,